17 de setembro de 2019
                 
     
                         
Lázaro Freire, Acid0 e Lobão na MTV: Daime é droga ou religião?
Psicanálise Transdisciplinar em SP com Lázaro Freire
Seja um colaborador ativo da Voadores!
Cursos e palestras da Voadores em sua cidade
Mensagem de Wagner Borges
Mais novidades

 
  

Colunas

>> Colunistas > Eduardo CM Neto (Dudu Burton)

Como usar a Clarividência?
Publicado em: 15 de maio de 2007, 20:36:59  -  Lido 4507 vez(es)



A clarividência é uma experiência intima, e psíquica. Como um sonho,
ou como a projeção astral, deixa fragmentos na psique, que são
marcantes. Mas também deixa duvidas ao analisarmos segundo as leis
da ciência comum.

Podemos sonhar e simplesmente encarar como uma história estranha,
sem pé, nem cabeça - ou anotar e procurar entender o que o sonho
pode significar, quais são os símbolos inconscientes inseridos,
quais são as realidades abordadas.

Com a clarividência, observo a mesma situação. Para despertar usa-se
os exercícios que você citou, mas como usar depende muito da sua
vontade de encarar o material que chega até você.

Jung mesmo diz, que talvez telepatia, clarividencia e sonhos somente
sejam nomes diferentes para a mesma coisa. Modos diferentes de
acessar um conteúdo que está presente em uma realidade que não é a
física.

O que você vê surge naturalmente na sua tela mental. São imagens,
sensações e presenças intuitivas. Afinal, não são com os olhos
físicos que se está vendo. Concentrar-se no chakra frontal, por
várias vezes funciona como melhorar a sintonia da "TV do Astral".

Mas em minha opinião, por se tratar de imagens intuitivas e
subjetivas, o crivo do discernimento tem que ser MUITO mais eficaz.
E por incrivel que pareça, a maioria das pessoas faz o contrário. Ao
se depararem com uma mensagem vinda do "além", tratam o conteúdo com
muito mais respeito do que um texto escrito por pessoas físicas e
normais. O que é, no mínimo, esquisito.

Muitas experiências com a clarividências são pessoais. Muitas outras
são benéficas para ajudar alguém em determinadas situações. E muita
coisa boa também surge deste contato psíquico. Discernir é separar o
bom do ruim. Como tem coisas boas, significa que não se pode
desprezar a clarividência como sendo uma "falsidade".

Usar a clarividência, então é saber separar a realidade pessoal, o
conteúdo psiquico, e as crenças e credos pessoais para poder
trabalhar melhor com a faculdade, podendo ajudar algumas pessoas que
necessitam de atenção especial em outros "mundos".

Vale dizer, que a responsabilidade cresce ao desenvolver esta
faculdade. E nem só flores são as imagens que poderá vivenciar. Mas
o que você vê, já estava lá antes de você conseguir ver. O que será
melhor, não ver e não saber, ou ver e poder tratar?

Espero ter ajudado,

Dudu Burton

--
Eduardo CM Neto (Dudu Burton)
duduburton@voadores.com.br


Deixe seu comentário

Seu nome:
Seu e-mail:
Mensagem:

 
Atenção: Sua mensagem será enviada à lista Voadores, onde após passar pela análise dos moderadores poderá ser entregue a todos os assinantes da lista além de permanecer disponível para consulta on-line.































Voltar Topo Enviar por e-mail Imprimir