12 de dezembro de 2018
                 
     
                         
Lázaro Freire, Acid0 e Lobão na MTV: Daime é droga ou religião?
Psicanálise Transdisciplinar em SP com Lázaro Freire
Seja um colaborador ativo da Voadores!
Cursos e palestras da Voadores em sua cidade
Mensagem de Wagner Borges
Mais novidades

 
  

Colunas

>> Colunistas > Lázaro Freire

Apegos e Ciumes Excessivos
Publicado em: 12 de setembro de 2010, 22:02:11  -  Lido 2218 vez(es)



> Perguntaram em meu http://www.formspring.me/LazaroFreire
> Como a psicanálise e a filosofia vêem o ciúme e o apego excessivo? 
> Como você analisa isso na vida contemporânea e como lidar com estes 
> sentimentos, tanto quem é alvo quanto para quem é portador? 
> Obrigado. Gosto muitíssimo de suas respostas.


Tanto a filosofia quanto a psicanálise vão, em geral, recomendar a ponderação. Vários autores filosóficos apontariam o "apego" e o "excessivo" como os principais problemas da atitude.

Em se tratando de psique, compreendo o ciumes como uma emoção. Emoções são necessárias e POSITIVAS, servem para a preservação das espécies. Sou simpático à psicologia evolucionista, compreendendo como os processos darwninianos afetam as neurociências, portanto eu diria que um pouco de cada uma dessas emoções são constitutivas e até mesmo necessárias. O problema está no excesso, que tende a ser patológico.

Tristeza é bom e importante para elaborarmos lutos e reavaliarmos processos; o excesso dela com prejuizo funcional e/ou motivação inconsciente (desconhecida e inexplicável) é que caracteriza depressão ou melancolia. Ansiedade é bom para antecipar emoções, mas em demaisa gera transtornos e somatizações. Medo é importantíssimo para avaliarmos nossos limites, mas se tiver ação inconsciente torna-se fobia. 

Sem um pouco de ciumes e valorização afetiva do que temos, colocamos em risco investimentos nada desprezíveis, sejam materiais ou emocionais. Mas em excesso, ou fantasioso, gerando calúnias, invenções de situações imaginárias, brigas, prejuizos afetivos e principalmente desrespeitos, temos uma situação que lembra mais a psicose, uma vez que envolve comumente DELÍRIOS e alucinações. É doença, embora a sociedade seja ligeiramente complacente com crimes (abrir correspondências e computadores, por exemplo) e agressões (físicas, morais, calúnias, difamações) que ocorram dentro de um relacionamento. Na minha opinião, não deveria ser. Crime é crime, insegurança é insegurança, e não há amor baseado em des-confiança e agressão.

Em relação a quem tem o comportamento agressivo, a psicanálise em geral investiga o passado de relações afetivas, e o presente da auto-estima. Cada caso é um caso, obviamente, mas muitas vezes o ciumento não tem confiança é em si mesmo, não no outro. Se alguém com quem me relaciono - afetiva, profissional, clinica ou pessoalmente - comigo demonstra sucessivamente não ter confiança em mim, costumo sempre acabar a relação, e sugerir (de coração) que procure uma outra pessoa mais honesta para se relacionar. Não há relação sem confiança, a meu ver.

Lázaro Freire
http://voadores.com.br/clinica

--
Lázaro Freire
lazarofreire@voadores.com.br


Deixe seu comentário

Seu nome:
Seu e-mail:
Mensagem:

 
Atenção: Sua mensagem será enviada à lista Voadores, onde após passar pela análise dos moderadores poderá ser entregue a todos os assinantes da lista além de permanecer disponível para consulta on-line.































Voltar Topo Enviar por e-mail Imprimir