12 de dezembro de 2018
                 
     
                         
Lázaro Freire, Acid0 e Lobão na MTV: Daime é droga ou religião?
Psicanálise Transdisciplinar em SP com Lázaro Freire
Seja um colaborador ativo da Voadores!
Cursos e palestras da Voadores em sua cidade
Mensagem de Wagner Borges
Mais novidades

 
  

Colunas

>> Colunistas > Lázaro Freire

Mais uma morte na AIUASCA / Ayahuaska (daime)
Publicado em: 18 de novembro de 2009, 09:54:45  -  Lido 4949 vez(es)



Mais um caso de morte em rituais de Aihuaska, Daime e drogas chá-maniacas similares - usadas legalmente no Brasil quando em contexto de "rituais". Nossa lei ainda confunde o inalienável respeito ao rito religioso com o endosso às substâncias psicoativas que usam, muitas vezes ministradas indiscriminadamente até mesmo a crianças, cardíacos e usuários concomitantes de outras drogas e remédios.

 

Pelo menos o usuário queria um atalho para se fundir com o todo, e a droga cumpriu o que prometeu. Assistam a reportagem da TV:

http://migre.me/bRAG

Gostei de ver a "certeza médica" do "padrinho" daimista. Dá pra ler no olhar dele sua formação acadêmica e embasamento sobre neurotransmissores, alcalóides, inibidores da MAO e substâncias psicoativas. Usuários desavisados estão em boas mãos! Nota-se o conhecimento dele ao falar dos efeitos colaterais da Dimetiltriptamina presente no daime (da mesma família do LSD e da psicocilibina dos chás de cogumelo, com efeitos parecidos):
http://pt.wikipedia.org/wiki/Dimetiltriptamina

- Ah, o rapaz já devia ser cardíaco...

Claro, seu imbecil, assassino culposo por tabela. É óbvio que a droga potencializou uma condição latente. Só que 90% dos usuários de daime nessas "casas medicinais" toscas simplesmente não tem condições de saber todas as suas condições latentes; e, se passarem mal, dificilmente terão acompanhamento médico ou gente preparada no local. Se houver algum médico presente (e deveria haver), provavelmente este não terá condição sequer de dirigir).

Sua mula de olhos vidrados e pupilas dilatadas, é ÓBVIO que o rapaz já tinha predisposição que contraindicaria a aihuasca. E é justamente esse o problema: ele estaria VIVO se não lhe ministrassem (leia-se: vendessem) uma potente droga que, como sabem todos que já tomaram, CAUSA SIM variações violentas no corpo e na percepção: aquelas "peias" e "mirações", que tem descrição no DSM-IV-TR e no CID-10. Não vamos chamar de alucinação, vômitos, queda de metabolismo, diarréias, desrealizações e outros sintomas físicos e psiquiátricos para não ofender a "religião" de ninguém.

Já repetimos bastante, aqui: Daime é, no mínimo, um potente inibidor da MAO. Embora isoladamente o DMT seja metabolizado pelo organismo, o que os daimistas não contam (ou não sabem) é que uma das substâncias usadas na mistura tem justamente a função de impedir seu metabolismo. Ou seja, libera-se em maior ou menor grau o efeito similar ao do LSD e Cogumelos. Se você não tomaria uma cartela de Antidepressivos inibidores da MAO, provavelmente não deveria também tomar daime sem acompanhamento médico.

 

Ou seja, NÂO DEVERIAM TOMAR DAIME E DERIVADOS as pessoas cardíacas; ou com problemas de pressão; ou com bipolaridade (estima-se em 10% da população). E muito menos as que tomam, já tomaram ou deveriam tomar
remédios neurolépticos, psiquiátricos, de emagrecimento (especialmente anfetaminas), antidepressivos (atuam na MAO); dentre VÁRIAS OUTRAS POSSIBILIDADES. Também não sabemos se é prudente que ex ou atuais usuários de drogas ilegais tomem daime. Grande parte dos frequentadores usa ou usou drogas ilegais. Relatam que o daime os ajuda a parar com maconha, cocaina e outras substâncias (talvez seja uma boa droga substituta), mas há o grave risco de, ao contrário, o dependente apenas estar regularizando e sistematizando seu vínculo com estados alterados induzidos por substância.

 

Ou seja, mesmo que um padre acredite que seu vinho na comunhão é sagrado e o sangue de Cristo, não creio que seja boa idéia tomá-lo, se tratar-se de um alcóolatra. O daime e outras religiões merecem respeito enquanto religião, mas isso não se extende à concordância e inocuidade com as substâncias que resolverem usar. Nenhuma religião é dependente de substância, portanto, qualquer rito xamânico sério pode funcionar com ou sem o uso do enteógeno. Se quer testar se uma igreja daimista é séria, peça para visitar antes sem precisar tomar, para conhecer apenas o sagrado. Você saberá se eles permitem ou não que você participe pela religião, ou se a ingestão de drogas é o maior fundamento sagrado ali.

Aliás, recentemente veiculamos aqui outro caso de morte, em um desses rituais "chá-mânicos" onde era usado o veneno de um sapo do Amazonas. Diziam os "gênios" iletrados que o princípio ativo - um veneno capaz de provocar alucinações - tratar-se-ia de uma nova "medicina da floresta" (sic). Porque não fazem como os de outros tempos, e fumam apenas um baseado, que é muito mais fraco do que daime? Se é para usar drogas, porque precisam levar (ou matar) gente inocente junto, patrocinar inúmeras crises psicóticas, vômitos, separações, tristezas de pais, doenças, mortes - e ainda confundir as pessoas catequizando-as, como se o barato de vocês fosse alguma espécie de, errr, "religião"?

Eu sempre critiquei essas pessoas por estarem fora do contexto da selva, por serem pessoas bem metropolitanas que vão de carro para o ritual e pensam que estão em contexto xamânico apenas porque sacodem chocalhinhos e colocam imagens esquisotéricas na parede. Algumas misturam crendices de pseudo-calendário maia e fraternidade branca, e ainda juram que são shamans - ou ET's - por isso. Claro que sim, dependendo do que se toma, acredito mesmo ser possível ver discos voadores xamânicos no céu, anunciando o fim do mundo em 2012.

 

Entretanto, eu sempre lembrei que um índio é preparado para isso por toda uma vida, que há um aspecto cultural, que ele vive ali, e que as bebidas sagradas fazem parte de um contexto INICIÁTICO, onde é exigido do candidato um pouco mais do que ser amigo do padrinho, assinar uma lista "chá-maniaca" de internet e - é óbvio - pagar pelo menos uns 50 reais. Mas, pensando bem, eu estava errado. Talvez alguns sejam bem mais ÍNDIOS do que pareçam.

 

Portanto, todo respeito às religiões e seus ritos, mas isso não se extende a aceitarmos toda  e qualquer substância que resolverem usar; especialmente quando isso continua matando nossos jovens, e enganando pais que pensam que seus filhos deixaram as drogas psicoativos, quando, na realidade, até transformaram uma muito mais forte que a maconha em "uso contínuo" e "religião". Pelo menos é "legal" e "patrimônio cultural", graças a um ministro da cultura bastante "imparcial", que antes fazia músicas de apologia ao "realce" e brilho onde "quanto mais 'purpurina', melhor", e que subia no palco como uma "alma que cheira (a) talco". Estamos bem!
(OBS: Já estive em shows em BH nos anos 80, onde o futuro ministro defensor do daime cantava uma outra versão e rima para o brilho da purpurina)

Não podemos esquecer que o LSD foi usado nos anos 60 legalmente por religiosos e psicólogos "transpessoais" como Thimoty Leary e Stanilav Grof. Na época, eram defendidos pelos mesmos argumentos viciosos dos hoje daimistas, e os usuários pediam "respeito religioso" para o uso de seus "enteógenos" (o mesmo que alucinógeno, quando usado em contexto religioso). Na época, as autoridades só se pronunciaram após mortes e surtos sucessivos. O mesmo ocorrerá com o DMT do daime, mas quantas mortes ocorrerâo, quantas famílias se dividirão, quantos pais zelosos serão injustiçados antes dessa proibição?

 

CUIDADO: Muitos seguidores de Stanilav Grof, o mesmo do LSD, hoje ministram e defendem o uso de daime, travestindo o uso de drogas como se fosse uma nova espécie de "psicologia", uma nova "força". Alguns deles já usavam drogas antes ou durante sua formação, daí a opção por este caminho "transpessoal". Transpessoal não implica usar drogas, vide abordagens de Assagioli, Jung e Ken Wilber. Caso um profissional se diga "transpessoal", pergunte DIRETAMENTE a ele qual a sua postura em relação a drogas, daime e Stanilav Grof antes de estabelecer um contrato terapêutico.

 

Por quanto tempo enganadores urbanos (tão xamânicos quanto o Corinthians Paulista) ganharão dinheiro vendendo daime e enganando jovens, levando-os fora de si a confundirem um simples transe (pré-pessoal, estado alterado primitivo presente em vários ritos mas também na histeria, drogas e hipnose) com o êxtase espiritual (transpessoal, comum a várias religiões e não propriedade de um chá, aliado do discernimento, e obtível através de esforço sincero e lúcido, em todas as tradições)???

 

E o rapaz cardíaco queria se fundir ao todo, ver Deus, saber como é o astral... Taí, o daime cumprindo o que prometeu.

Lázaro Freire

Psicanalista Transpessoal (sem daime)

Espiritualista de cara limpa (dá mais trabalho, e trabalho ninguém quer ;-)



(Enquanto isso, nossos jovens são presos por tomar saudáveis um ou dois cálices de vinho numa refeição e mais tarde dirigir - mas alucinados coautores dessa morte pegam estrada toda semana ou mês, dirigindo com as pupilas dilatadíssimas por uma droga "legal", parente próxima do LSD e da psicocilibina, que continua atuando por HORAS depois da ingestão... Onde estão as autoridades?)

 

 

Link curto para divulgação desse artigo: http://migre.me/bSWN


--
Lázaro Freire
lazarofreire@voadores.com.br


Deixe seu comentário

Seu nome:
Seu e-mail:
Mensagem:

 
Atenção: Sua mensagem será enviada à lista Voadores, onde após passar pela análise dos moderadores poderá ser entregue a todos os assinantes da lista além de permanecer disponível para consulta on-line.































Voltar Topo Enviar por e-mail Imprimir