12 de dezembro de 2018
                 
     
                         
Lázaro Freire, Acid0 e Lobão na MTV: Daime é droga ou religião?
Psicanálise Transdisciplinar em SP com Lázaro Freire
Seja um colaborador ativo da Voadores!
Cursos e palestras da Voadores em sua cidade
Mensagem de Wagner Borges
Mais novidades

 
  

Colunas

>> Colunistas > Lázaro Freire

Vultos ou alucinações - Como saber se' são reais?
Publicado em: 12 de novembro de 2007, 16:38:51  -  Lido 14864 vez(es)



> > Pergunta: Qual o conceito que vocês podem ter sobre vultos? Algo criado pela nossa mente ou que algumas pessoas realmente conseguem ver esses seres do outro plano?

> Resposta: Eu diria que as duas hipóteses são válidas e comuns. O difícil, talvez, seja distinguir entre elas, ou seja, saber quando se está vendo algo criado pela nossa mente e algo que realmente existe.

Comentários de Lázaro Freire:

 

Olá, voadores'. 


Quando Deus fala com você, mesmo que em pessoa, Ele fala através de sua mente. Se seu chacra frontal, e não seus olhos, capturaram um espírito real, ainda assim este chacra colocou a imagem em sua tela... mental. E se só você o viu, não precisa ser real para o outro, mas nem por isso deixará de ser real para você.

Quando o Wagner Borges ou o Chico Xavier nos relatam terem visto intimamente um espírito, o que faz este espírito ser real para mim que náo vi é a credibilidade destes médiuns, a coerência espiritual que eles tem dentro daquilo que creio, e a sintonia espiritual que eu possa perceber ali.

Se um terceiro médium também o percebe, ou diz perceber - e eu não - ainda assim o que tenho é a credibilidade ou sugestionabilidade do outro médium. Até porque, se todos vissem e fotografassem, não seriam mais vultos na clarividência, e sim um caso de materialização.

Nestas visões, para não depender de sensações que nem todos sempre tem, eu diria que o maior fator de realidade é a mensagem que eles trazem. A maior garantia que um médium nos dá é a própria normalidade e coerência com a qual viva - ou não - aqui.

Penso que valha o mesmo para nossa visão.

Em geral, as "alucinações" que merecem nome não vem sozinhas, elas acompanham pessoas que não se adequam bem à vida social aqui, muitas vezes como forma de compensação. E tampouco são neutras, elas costumam ter conteudo simbólico analisável, muitas vezes endossando delírios persecutórios (os "do mal") ou de grandeza (os "do bem"), em enredos que poderiam figurar de um sonho, psicanaliticamente interpretável, da mesma pessoa.

Já os clarividentes reais, especialmente os que trilham o caminho dos comuns (uma vez que excessões são excessões), percebem vultos sem nenhuma alteração visível do juizo, nem maiores fascinações. Não costumam intepretar as supostas visões (simples, naturais) para endossar credos mirabolantes com falhas de discernimento. O certo é simples, e o simples é certo.

Se quer saber tecnica e precisamente se uma visão - que em última análise se dá em sua mente - proveio mesmo do astral ou foi criada ali na mente, eu diria que, simplesmente, não dá para afirmar. Como podemos dar 100% de certeza, ainda mais na experiência do outro, se em um nível mais profundo, todos os credos, físicas e filosofias questionam até mesmo a realidade deste plano aqui? E quando é conosco, porque às vezes temos, alguns, tanta necessidade de afirmarmos (aos outros) tratar-se de algo "real"? A realidade interna não deveria ser, em última análise, interior?

O Alberto Cabral, filósofo e espiritualista, diz - sobre a realidade projetiva - que só pode garantir ao outro que o que viu fora do corpo não seja ilusão na medida em que possa garantir a realidade daqui, que lhe parece tão coerente quanto. Em seu juizo e discernimento, que nos parecem aceitáveis, o percebido é tão ou mais real, coerente e palpável do que essa realidade que percebemos agora e aqui. Claro que alguém que alucina também pensará o mesmo; entretanto, se a realidade do psicótico parece a mesma no consciente e no inconsciente para ele; por outro lado a estrutura de sua realidade não parece da mesma coerência para nossa referência aqui.

A conclusão deste raciocínio simples é que o juizo de sanidade é o mesmo: se sou louco por perceber aquilo de lá, deveria o ser por perceber isso de cá; se sou confiavelmente coerente, inteligente e centrado aqui, por exemplo, é com este mesmo juizo que estou afirmando minha visão do acolá. O paradoxo disso é que voa mais alto - e de olhos abertos - aquele que tem os pés no chão.

Bons médiuns são pessoas que, na medida do possível, namoram, tem filhos, amigos, vida sexual sadia, trabalho, lugar no mundo, sentido de vida, relações saudáveis, passado coerente, planos adequados para o futuro, saude psíquica. Discurso estruturado, bom humor, senso de realidade.

Já outros, tem maior número de "visões" quando deprimidas, ou como principal característica sua "especial" (em meio a uma visível mediocridade), ou no meio de discursos de estruturas mirabolantes, ou substituindo com os "mortos" uma visível deficiência nos relacionamentos com os "encarnados". Uma tentativa de estrutura no "mundo de lá", proporcional à sua falta de estrutura no de cá.

Não descarto que até esses últimos captem bastante realidades espirituais, talvez até mais do que a média. Entretanto, qualquer comunicação vinda de uma estrutura assim não tem como deixar de se contaminar pelas compensações e desequilíbrios da estrutura mental.

Há outros critérios, como o da obviedade, o do messianismo, o do simbolismo.

 

Uma pessoa centrada, sem maiores alucinações, vê um vulto repentinamente, não raro quando busca o contato espiritual, e se questiona da realidade disso. É coerente.

 

Pessoas simples e sem cultura não raro incorporam entidades que se diferenciam pela humildade, e passam recados com uma sabedoria e simplicidade incomum. Grandes mestres, cujo exemplo de vida atravessa milênios, falam de uma sabedoria também atemporal. Faz sentido.

Por outro lado, alguns menos centrados e medianos, ou até mesmo usuários de substâncias, tem "certeza" de verem Saint Germain ou Jesus numa nave (que assim se vê ou se mostra como especial), em geral associados a simbolismos do credo ou psiquismo pessoal de quem o viu (cruzes, naves especiais, raios violetas, apocalipses, discursos místicos e confusos), como se fossem arautos de um significativo "tempo futuro melhor que esse" (atual do médium).

 

Boa parte deles se dissociam do "mundo", dos "prazeres", da matéria, até mesmo do "sexo" ou da "mente", os quais significaticamente "condenam" (como se fosse possível transcender aquilo que não viveram). Não percebem vultos entre dúvidas: tem "certeza" do contato com os mestres e deuses, os quais se dignam a vir falar (exclusivamente) com ele, (apenas) para passar recados óbvios, do tipo "irmãos, vocês precisam se amar mais", "vocês são deuses", ou "aquilo que vocë deseja acontece".

 

A aceitação dessas afirmações "esotéricas", em geral ditas em tom místico que parodia outras religiões e textos de auto-ajuda, não é prova de autenticidade, e sim de obviedade pessoal. Há muitos mestres antigos e profetas atuais que já nos deram a mesma mensagem com maior credibilidade, sendo pouco provável que as estrelas se alinhem para que a Virgem Maria em pessoa escolha, como última chance para a humanidade, repetir o já sabido como se fosse novidade, através de alguém cujo exemplo é diverso da normalidade dos homens que a Mãe Divina precisaria desesperadamente atingir antes do momento final.

 

Penso, por fim, que certamente há muita mediunidade em boa parte da dita esquizofrenia; mas, talvez na mesma proporção, há muita esquizofrenia em grande parde do que é aceito como mediúnico. Ken Wilber, com base em muita pesquisa, prática e teoria, afirma que no máximo cerca de 2% dos fenômenos alegados são autênticos. Há quem veja ceticismo nisso, mas ele mesmo é dado a paranormalidades e meditações, e não disse não crer, ao contrário: revela ter constatado fenômenos reais, e muitos; mas não a maioria dos que se dizem ser, bem intencionados ou não.

Este debate todo é interessante, mas se reparar bem na incerteza que repousa em nossa condição, entendo que o mais sensato AINDA seria viver bem aqui, considerar mais o conteúdo das comunicações do que sua natureza, e empenhar sinceros esforços no intuito de NOS conhecermos melhor. Note que, ainda que discordem na teologia, na prática vários caminhos distintos apontam para o mesmo, da resignificação psicanalítica à reforma íntima espírita, das práticas yogues de purificação ao dharma no aqui-agora budista.

 

Tenha visto você um buda ou uma alucinação, as percepções - e projeções - só poderão ser tão lúcidas e reais quanto a "realidade lúcida" que seja vivida aqui.

Láz
http://www.voadores.com.br/lazaro

"A projeção da noite começa ao abrirmos os olhos pela manhã" (Wagner
Borges)

"Qualquer árvore cuja copa toque o céu precisará ter,
necessariamente, raízes tão sólidas que cheguem às profundezas dos infernos" (Carl Jung)


--
Lázaro Freire
lazarofreire@voadores.com.br


Deixe seu comentário

Seu nome:
Seu e-mail:
Mensagem:

 
Atenção: Sua mensagem será enviada à lista Voadores, onde após passar pela análise dos moderadores poderá ser entregue a todos os assinantes da lista além de permanecer disponível para consulta on-line.































Voltar Topo Enviar por e-mail Imprimir