14 de dezembro de 2018
                 
     
                         
Lázaro Freire, Acid0 e Lobão na MTV: Daime é droga ou religião?
Psicanálise Transdisciplinar em SP com Lázaro Freire
Seja um colaborador ativo da Voadores!
Cursos e palestras da Voadores em sua cidade
Mensagem de Wagner Borges
Mais novidades

 
  

Colunas

>> Colunistas > Lázaro Freire

Como matar o ego... e viver em psicose!
Publicado em: 17 de setembro de 2007, 12:40:50  -  Lido 5973 vez(es)



> É difícil adentrar em uma discussão temática indefinida e,
> ao mesmo tempo, desfazer-se do ego.

Grande parte das discordâncias em espaços universalistas ocorrem desnecessariamente, por significados pessoais diferentes para as mesmas palavras. Convenção por convenção, a Voadores costuma valorizar a fundamentação acadêmica. Pelo menos aqui, chamemos as coisas pelo que são:

Viver "sem ego" é um mito, no mal sentido da palavra. Este conversa pseudo-espiritual de "viver sem ego" é um convite à psicose, e não à iluminação.

Podemos matar o egoismo, não o ego. Os delírios, e não a mente. A neurose, não os neurônios. O individualismo, e não o indivíduo. A falta de sentimento, e não a existência de pensamento. A indisciplina excessiva, e não a saudável capacidade de questionar. O que nos afasta de Deus, não o que nos sustenta aqui.

Vejo religiosos usando o termo EGO ao seu bel prazer, quase como um coringa que pode valer como "vaidade", "egoismo malévolo", "personalidade forte", "subversão às ordens de meu guru" e até mesmo "capacidade de pensar". Tudo é "ego" para eles, menos os vários conceitos sérios dele (que são vários, também, e nenhum parece com esses).

Há também pseudo-hinduistas, que sem perceber incorrem no maior ego de todos: o de se achar livre do ego. Dizem eles: "eu aniquilei o ego e estou unido ao Todo... e você, mundano, não". :^) Ora, que todo é esse que não inclui tudo? Podemos no máximo remover a ilusão de que SOMOS aquilo que ESTAMOS, mas sem criar a ilusão maior de achar que já ESTAMOS aquilo que SOMOS. Além do mais, é uma vingança irônica do ego: quem se afirma "sem ego" no fundo acredita ser maior que os demais.

Ou não se definiu adequadamente o que seja ego, ou - com todo respeito - não se tem a menor idéia do que estão falando. Não ter ego equivale a psicotizar, inclui delírios e alucinações, e exige medicamentos sob pena de (constatados) danos à estrutura cerebral. Perda cognitiva não é iluminação.

O ego é quem ouve o acreditamos ser certo e errado, e toma seus julgamentos e decisões. Se um yogue sem ego preferiu ouvir seus conceitos espiritualistas aos seus desejos, quem fez isso foi seu ego. Se um vegetariano brahmacharia sem ego deixar de comer carne ou fazer sexo, quem optou por isso foi seu ego. E essas escolhas se dão na mente que o tal yogue disse que abandonou.

O Wagner Borges costuma contar em palestras que um yogue passou toda sua vida meditando para conseguir parar todos os pensamentos da mente. Com muita disciplina, um dia chegou lá, e feliz, PENSOU: "Consegui!" :-)

Há quem pense que "matar o ego" é apenas viver sem máscaras, mas até isso é impossível: a persona tem sua função, sem ela não há socialização. Mais razoável seria conhecermos as máscaras que precisamos usar

Espíritas também usam a expressão, em seu crescente sincretismo hinduista. Mas aí fica mais incoerente ainda, pois seus relatos mediúnicos sobre cidades astrais são baseados justamente na manutenção do ego do lado de lá, até bem mais definido, tanto nos que o usam para seguir as intruções do plano maior quanto nos malévolos ou patológicos desencarnados.

Há quem diga que o ego é sempre o dos outros. Em si, seu compromisso de "matar o ego" é sempre um objetivo (bem) futuro, uma meta suave, uma espécie de noivado com o divino. Nos outros, contudo, é um julgamento impiedoso daqueles que só o ego poderia fazer.

Numa repetição "espiritualista" da posição esquizoparanóide de vários julgamentos religiosos, o "ego" assume a função já ocupada pelo "diabo"... e o possuído é sempre o próximo, o que tira a atenção do observador, que assim se identifica com o "bem" não por trabalho interno, mas pelo rotular e afastar de seus próprios aspectos sombrios projetado nos outros. Se "o resto" aos meus olhos é "o mal", sobra para mim - sem esforço - ser o bem. Se "os outros" são "o mundo", só posso então ser "de Deus".

O sábio ramakrishna resume bem este tipo de yogue, antecipando em décadas a psicanálise: "Quem julga o ego é sempre um ego maior".

Ramakrishna também dizia que não podemos viver sem ego aqui, mas que podemos transformá-lo em um ego servidor. Em outra passagem, pergunta o objetivo de vida de seu maior discípulo, e ouve:

"Ah, mestre, eu gostaria de atingir o samadhi, deixar meu ego, fundir-me ao todo, e dissolver-me em Deus"

Ao que o grande mestre ensina:

"Não lhe parece um objetivo muito EGOista, sabendo que há tanta gente precisando de ajuda AQUI?"

;-)

Láz

OBS: Para uma melhor conceituação, vide artigo Normais, Bipolares, Esquizofrênicos... e Médiuns!
--
Lázaro Freire
lazarofreire@voadores.com.br


Deixe seu comentário

Seu nome:
Seu e-mail:
Mensagem:

 
Atenção: Sua mensagem será enviada à lista Voadores, onde após passar pela análise dos moderadores poderá ser entregue a todos os assinantes da lista além de permanecer disponível para consulta on-line.































Voltar Topo Enviar por e-mail Imprimir