12 de dezembro de 2018
                 
     
                         
Lázaro Freire, Acid0 e Lobão na MTV: Daime é droga ou religião?
Psicanálise Transdisciplinar em SP com Lázaro Freire
Seja um colaborador ativo da Voadores!
Cursos e palestras da Voadores em sua cidade
Mensagem de Wagner Borges
Mais novidades

 
  

Colunas

>> Colunistas > Lázaro Freire

Desconstrução 1/3 - Tudo é mito, mas...
Publicado em: 12 de setembro de 2007, 13:25:05  -  Lido 3351 vez(es)



--- Em voadores, Leonardo D'Ippolito escreveu:
> Não é claro pra mim até que ponto vale uma desconstrução sem freio.
> Ou seja, você começa a anular totalmente as suas referências, na
> busca da "verdade final", e perde o chão que você precisa ter para
> dar o seu próximo passo. Se a realidade é como uma cebola, cheia de
> níveis e "cascas", do que adianta a preocupação com a casca final,
> mais externa? Não faria mais sentido nos preocuparmos com a casca
> mais imediata? "Quebrar tudo" pode paralisar a pessoa, ao invés de
> levá-la adiante.


Oi, Leo. Muito legal a sua mensagem. Me lembrou as três citações do Wagner Borges à respeito:

"Tudo é Maya (ilusão), mas se você bater sua cabeça de Maya numa parede de Maya, vai surgir um calo de Maya que doerá bastante."
"Se o tempo é uma abstração relativa, tente explicar isso ao seu chefe no seu próximo atraso."
"Tudo é ilusão, menos a pensão de minhas ex; o aluguel do meu apartamento e do IPPB."

Você tem toda razão, a última camada da cebola será sempre o vazio - que não é de todo nulo, pois nele há Deus na essência. E descontruir apenas pelo vazio é sem sentido. Mas penso que ainda não é essa "a" questão da desconstrução.

Tudo é mito. Mas o que interessa não é livrar-se de todos eles e desaparecer no vazio. Nem achar que era mais cômodo escolher um dos mitos, uma das camadas da cebola, e tomá-lo como o real. Até porque, Deus está tanto no vazio quanto na "ilusão". Fixar na ilusão seria esquecer o que a própria pessoa já experienciou em sua transcendência. E além do mais, a única coisa permanente no universo - ou no pensamento - é a mudança. O que nos convida a mudar e questionar, se queremos "evoluir".

Se tudo é mito, se Deus habia os dois, a questão é saber como você vive, evolui e transcende o mito que escolheu.

A visão católica, por exemplo, é um mito. Mas já foi a realidade final de muitos, até mesmo muitos daqui. Na falta da experiência direta de Deus, ou às vezes tentando explicar o incognoscível e indescritível, encontramos a melhor descrição possível, o melhor conjunto de crenças que nos serviu. Mito, e devemos muito a ele, excessos da igreja à parte.

Mas quando o mito, a interface, não se adequa mais à nossa experiência e filosofia; quando as excessões à regra incomodam muito e o discernimento se faz necessário, é hora de saber abrir mão da segurança antiga, admitir não sabermos tudo em nossa crença, e adotarmos algo que explique melhor. Por exemplo, para muitos, o espiritismo cristão de Chico-FEB-Kardec. Que no fundo não é tão diferente do catolicismo assim.

Entretanto, esse espiritismo também é mito, e faz o mesmo caminho do catolicismo: no começo se diz a nova revelação do próprio Deus, a que não veio destruir a Lei; depois arroga-se ser a verdade final do cosmos; depois tenta estabelecer seu caráter científico ou filosófico; mas no fim só sobrevive mesmo enquanto mais uma doutrina religiosa. O que, por definição (religião), nega tudo o que tentou ser antes (verdade final, revelação exclusiva, nova ciência, filosofia suprema).

O mecanismo não está errado. É um mito, o verdadeiro, não a distorção pejorativa popular do termo. Mitos não são mentiras, talvez sejam a grande verdade que podemos ter, num mundo relativo. Mitos são a melhor história, moral, credos e explicações TEMPORÁRIAS que conseguimos contar para explicar um transcendente ou estrutural que dê sentido ao mundo, e sem o qual não faria sentido viver.

Desconstruir mitos espíritas só nos levaria à nova verdade final do espiritualismo, que poderia também ser desconstruida por um modelo posterior. A verdade de hoje é o mito de amanhã, sempre foi assim - para quem não estagnou.

O curioso é que a cebola não tem fim. Não é questão de condenar o "pensar" por nos tirar de um lugar para outro tão ilusório quanto o primeiro, porque deixar de pensar e evoluir tampouco transcenderia a ilusão, e talvez fomente a maior de todas as iliusões: levar-se a sério demais.

A questão é: quem se sustenta por si, sem seu mito? Há quem se confunda com a máscara que precisou usar. Tudo é muleta, e é lícito que usemos uma. Ser usado por ela é que é outra coisa.

Então, onde você estiver, sei que há três ilusões - a atual, a transcendida e o novo paradigma - e todas elas são pisos falsos: você terá que viver bem com isso, enquanto isso. Sem parar de evoluir.

<<< continua >>>


--
Lázaro Freire
lazarofreire@voadores.com.br


Deixe seu comentário

Seu nome:
Seu e-mail:
Mensagem:

 
Atenção: Sua mensagem será enviada à lista Voadores, onde após passar pela análise dos moderadores poderá ser entregue a todos os assinantes da lista além de permanecer disponível para consulta on-line.































Voltar Topo Enviar por e-mail Imprimir