17 de setembro de 2019
                 
     
                         
Lázaro Freire, Acid0 e Lobão na MTV: Daime é droga ou religião?
Psicanálise Transdisciplinar em SP com Lázaro Freire
Seja um colaborador ativo da Voadores!
Cursos e palestras da Voadores em sua cidade
Mensagem de Wagner Borges
Mais novidades

 
  

Colunas

>> Colunistas > Benedicto Cohen (Bene)

O Ego e o Self
Publicado em: 04 de setembro de 2006, 15:46:39  -  Lido 16022 vez(es)



Alegre-se... Agora, quando sua namoradinha disser que vc tem o ego inflado, vc
não vai ficar mais com aquele ar de bobão, sem saber se isso é algo ruim ou algo
bão...

Isto porque seu xamã eletrônico vai explicar, de um jeito bem facilzinho, esse
negócio junguiano de Ego e Self.

Te prepara, que la cosa es grande y fuerte - mas vai te dar a maior luz, em
muito mais coisas do que vc pode imaginar - inclusive para seu
auto-conhecimento...


O EGO e o SELF


O EGO e o SELF são partes distintas de nossa consciência.

Quando nascemos, só existe o SELF.

Nesta fase, o SELF é tudo que existe e tudo que percebemos - para nós não
existe nada fora do SELF, pois o recém-nascido percebe o todo e ele mesmo como
se fosse tudo uma coisa só. Devido a esta totalidade, o SELF pode ser também
descrito como a parcela divina que cada um de nós traz à terra.

Podemos ilustrar melhor dizendo que, para um recém nascido, ele e a mãe, por
exemplo, são uma única e mesma coisa. Só mais tarde ele vai perceber que
tratam-se de duas entidades diferentes.

Pois bem, conforme ele vai crescendo, um novo centro de consciência (que só
existia potencialmente, até então) começa a se formar dentro do SELF, graças
inclusive aos estímulos externos - as coisas que acontecem em torno da criança.

Esse centro de consciência é o EGO, o 'eu' que a gente conhece. Para vc ter uma
idéia do que é o EGO, pergunte a si mesmo como vc é.
Todas as respostas que vierem à sua mente (sou trabalhador, sou emotivo, sou
isso ou aquilo) irão estar falando do EGO.

Então, já sabemos que o SELF nasce, e o EGO é criado. E que o SELF é uma parte
nossa divina e coletiva, e o EGO somos nós mesmos. Certo?

E em termos de vida, o SELF é aquela vida divina, mágica, paradisíaca, e o EGO é
a nossa vida prática.

Mas no processo, o nosso EGUINHO continua a se desenvolver, e começa a se
separar do SELF. Na verdade, esse é o nascimento da consciência.

A coisa acontece assim: imagine que o SELF fosse uma bola, uma mandala, com um
núcleo no meio. Dentro dessa bola, estaria o EGO, como se fosse uma bola menor,
também com um pontinho no meio.
O EGO começa então a se separar do SELF, ou seja, a bola menor começa a sair de
dentro da bola maior.

O EGO sai do SELF aos poucos, e assim, no começo, uma grande parte dele ainda
fica dentro do SELF, identificada com ele, e por isto a criança ainda se vê num
mundo inocente, primitivo, e mágico. O tal mundo da lua, onde tuuuudo pode
acontecer (se vc pensou em projeção astral e outras bruxarias, pensou certo)
....

Com o tempo, o EGO e o SELF começam a se separar mais e mais, mas aí ocorre um
fenômeno paralelo: uma canal, que liga o SELF ao EGO começa a ser formado e a
comunicação entre estes dois centros, EGO e SELF, passa a fluir através dele.
Sem esse eixo de comunicação adoeceríamos mentalmente. Aliás, é o que acontece
quando essa comunicação torna-se defeituosa ou é interrompida..

Você já deve ter percebido que por vezes vc se comunica com centros superiores,
onde está a intuição, a divindade, e outras coisas que ficam para além do seu
físico e mental. Pois isto é seu EGO se comunicando com seu SELF.

(Mas veja bem: se comunicar livremente com o SELF é uma coisa. ACHAR que o EGO é
o SELF, é outra...)

O que poderia acontecer no fim da tal separação, é a bolinha do EGO ficar
totalmente fora da bola do SELF, com o eixo ou canal que liga as duas
funcionando às mil maravilhas. Mas isso raramente acontece - seriam os casos de
iluminação, kundalini aberta, e coisas do tipo.

Quando o sujeito está num estado assim equilibrado, esse estado é chamado de
individuação.

Mas via de regra, para as pessoas ditas 'normais', o EGO sai QUASE inteiramente
do SELF, o canal opera legal entre ambos, mas o EGO ainda se identifica um pouco
com o SELF - um pouco mais ou um pouco menos, de pessoa para pessoa, de momento
pra momento.

Então. Essa identificação do EGO com o SELF é que é chamada de inflação.
Inflação porque o EGO naquele momento está querendo ser mais do que ele é - está
querendo ser o SELF.

Casos de pessoas que acham que são deus, ou de alguma forma superiores aos
demais, sem na verdade sê-lo, envolvem uma forte inflação do EGO. Ou seja, para
essas pessoas, o SELF é que está servindo de EGO. E isso é ruim. É uma delusão.

Uma longa temporada no 'paraíso' do SELF pode se tornar um inferno, ou uma
doença.

Quem leu a historinha de Íxion, que eu pus na Keshara, vai lembrar que ele, como
castigo, é amarrado numa roda de fogo (uma mandala, como o SELF), que fica ali
girando para sempre. O castigo dele foi ficar preso no SELF...

Mas a inflação do EGO é sempre ruim?

Aí é que está... Para que o EGO possa realmente encarar uma mudança drástica,
uma virada de mesa, ele precisa se inflar. Ele precisa ir buscar forças no SELF.


No momento em que vc, por exemplo, dá um chute no empreguinho e vai fazer potes
de cerâmica, como sempre desejou, seu EGO está inflado.
Vc precisou de um ato inflado, de rebelião, para jogar tudo pro alto e arriscar
fazer o que queria.

Os junguianos têm um exemplo excelente para esse processo: nada mais nada menos
que a história de Adão e Eva.

Vamos lá:

Deus criou Adão e Eva, e os deixou nus e inconscientes como animais, passeando
pelo Éden.

A descrição do Éden, como está na Bíblia, não deixa muitas dúvidas:
Era um jardim circular, no meio da Terra, cercado por um muro, e no ponto
central deste jardim nasciam ou se cruzavam os quatro principais rios do mundo:
Tigre, Eufrates, Indo e Ganges.

Um círculo com uma cruz dentro, ou seja - uma mandala. Uma mandala, ou seja, o
SELF...

E Adão e Eva viviam felizes, dentro do ÉDEN-MANDALA-SELF...

Como todo mundo sabe, Deus havia dito a eles que comessem os frutos que
quisessem, menos os da Árvore da Consciência (da Consciência, veja bem...)

E aí apareceu a Serpente, e lhes disse que eles deviam comer, sim, pois aí
seriam iguais a Deus.

E eles QUISERAM comer o tal fruto. (Os ofitas e luciferianos defendem que no
caso a Serpente era boa, pois desejava torná-los conscientes, e Deus era mau,
pois pretendia mantê-los alienados, mas isso nem vem muito ao caso)

E naquele momento a consciência deles despertou, eles tiveram vergonha de estar
nus como animais, cobriram-se, Deus sacou tudo, expulsou-os de lá, etc. e tal.

Ou seja, pelo que já vimos acima, fica claro que o EGO foi separado do SELF.

Saíram de lá chorando, pois ninguém larga uma vida boa e despreocupada sem
reclamar, mas saíram individuados, conscientes, crescidos, prontos pra cuidar da
vida...

Interessante, não?

Mas puxa, como é que um mito tão antigo já contava a história de um processo
mental que só iria ser descoberto no século 19 ou 20?

Bom, aí é que entram os arquétipos e todas as histórias que ficam no
inconsciente coletivo, mas isso já é uma outra história, que qualquer hora eu
conto. Se tiver saco.

Tchau.


Bene
--
Benedicto Cohen (Bene)
beneluxbr@yahoo.com.br


Deixe seu comentário

Seu nome:
Seu e-mail:
Mensagem:

 
Atenção: Sua mensagem será enviada à lista Voadores, onde após passar pela análise dos moderadores poderá ser entregue a todos os assinantes da lista além de permanecer disponível para consulta on-line.































Voltar Topo Enviar por e-mail Imprimir